ABIPTI defende uma política de Estado para tecnologia e inovação no Brasil

C&T Gestão - Gestão

Uma defesa da tecnologia e da inovação, mas sem deixar de lado a ciência. Foi este o tom da abertura do Congresso ABIPTI 2014, na noite desta terça-feira (6), em Brasília (DF). O posicionamento da Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (ABIPTI) é que o País tenha uma política de Estado voltada para fomentar o desenvolvimento tecnológico e inovador, sob pena de se perder o conhecimento produzido pela pesquisa científica, uma vez que ele não se transforma em bens e serviços para sociedade.

Presidente da ABIPTI explica que sem investimento em desenvolvimento tecnológico, conhecimento produzido pela pesquisa científica pode não trazer resultados para a sociedade. - Foto: Felipe Linhares/ ABIPTIPresidente da ABIPTI explica que sem investimento em desenvolvimento tecnológico, conhecimento produzido pela pesquisa científica pode não trazer resultados para a sociedade. - Foto: Felipe Linhares/ ABIPTI

"As ações de CT&I precisam ser consolidadas em um programa de Estado e não podem continuar sendo programas de governo, que precisam ser novamente defendidas a cada mudança dos ocupantes de cargo do Poder Executivo", afirmou a presidente da ABIPTI, Isa Assef dos Santos.

A dirigente destacou ainda a necessidade de se disseminar uma cultura de boas práticas de gestão para unir as entidades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (EPDIs) com o setor produtivo para fomentar um ambiente propício que alavanque o progresso socioeconômico brasileiro.

"Sem excelência na gestão, não pode haver efetividade no uso dos recursos de qualquer natureza. Não temos dúvidas de que, sem as condições necessárias para alavancar o desenvolvimento tecnológico e a inovação, este processo será muito longo e não alcançará os resultados esperados", pontuou Isa Assef dos Santos.

Saldo

A presidente da ABIPTI fez ainda um balanço sobre os principais temas em que a instituição vem trabalhando nos últimos anos para a melhora do cenário ligado à produção. Segundo Isa Assef, o trabalho conjunto entre as instituições de pesquisa tecnológica e o setor produtivo é fundamental para consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI).

"Temos disseminado informações, promovido a excelência na gestão das EPDIs e fortalecido o trabalho em rede das instituições, que por meio da complementação de competências e ampliação da oferta de serviços tecnológicos, têm melhores condições de atender às demandas", finalizou.

(Vicente Melo, da Agência Gestão CT&I)

brasil-e-espanha-assinam-acordos-em-areas-que-envolvem-pesquisa-e-tecnologia Os governos do Brasil e da Espanha assinaram nesta segunda-feira (24) cinco atos de cooperação em quatro diferentes áreas, que...
editais-selecionam-projetos-de-pesquisa-conjuntos-entre-franca-e-america-do-sul A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou dois novos editais para seleção de projetos conjuntos...
acordo-entre-sebrae-e-cnpq-preve-r-134-milhoes-para-pesquisa-de-alto-impacto O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e...
edital-de-inovacao-da-industria-oferece-r-536-milhoes-a-empresas-e-startups Projetos inovadores com aplicações industriais terão incentivo de mais de R$ 53,6 milhões neste ano para serem desenvolvidos e...
pacote-de-inovacao-da-embrapii-injetara-r-100-milhoes-na-economia A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) anunciou nesta sexta-feira (17), durante a reunião da Mobilização...