Novo software pretende reduzir os impactos de mudanças climáticas no Amazonas

C&T Inovação - BR

Aumento de temperatura de até 5°C, redução de 25% no volume da precipitação total anual e elevação de 36% no número de dias seguidos sem chuva. Esses cenários climáticos associados a dados sobre saúde, população, vegetação, ocorrência de eventos extremos e estruturas socioeconômicas, permitem definir quais municípios do estado do Amazonas estariam vulneráveis à mudança do clima.


Este diagnóstico é feito a partir de uma inovação tecnológica, um software, intitulado Sistema de Vulnerabilidade Climática (SisVuClima), que gera mapas temáticos, tabelas e gráficos sobre os 62 municípios do Amazonas. A ferramenta é composta por três módulos: cadastro de informações necessárias para o cálculo dos indicadores, a geração dos índices e subíndices e a visualização de resultados por meio de mapas temáticos e gráficos.


A proposta do software é possibilitar o planejamento de ações a médio e longo prazo para reduzir os impactos das mudanças climáticas e aumentar a capacidade de adaptação da população a este novo cenário. O sistema é um produto do projeto Vulnerabilidade à Mudança do Clima, executado pela Fiocruz em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA).


Desastres naturais


O SisVuClima gera 67 tipos de informações sobre os municípios amazonenses, incluindo dados sobre a ocorrência de desastres naturais. De acordo com a ferramenta, as porções sul e sudeste do estado seriam as mais impactadas para este indicador. O município de São Paulo de Olivença, por exemplo, seria o mais suscetível a lidar com deslizamentos decorrentes de fortes chuvas, enchentes, enxurradas, alagamentos, seca/estiagem e incêndios florestais. Boca do Acre, Canutama e Humaitá também seriam cidades mais vulneráveis a essas situações.


A região de Manaus tende a ser afetada por deslizamentos e inundações devido à elevada concentração populacional. Os impactos das mudanças climáticas podem dificultar o acesso à água potável, gerar insegurança alimentar e prejudicar a pesca, a agricultura e a pecuária, principalmente de subsistência. Especificamente para o Amazonas, as secas comprometeriam a navegação e, consequentemente, o abastecimento de água, alimentos e combustível.


Pobreza e mudança do clima


Uma das análises feitas a partir do software se relaciona à pobreza, considerando o acesso da população a serviços de saúde, educação e qualidade de vida. Os municípios de Tapauá, Juruá, Santa Isabel do Rio Negro e Atalaia do Norte seriam os mais afetados ao se considerar este indicador, principalmente devido aos dados sobre mortalidade infantil, ao analfabetismo e à baixa renda. Tais fatores contribuem para uma vulnerabilidade elevada, tendo em vista que as populações residentes nessas cidades teriam mais dificuldades para lidar com os efeitos adversos do clima.


(Agência ABIPTI, com informações da Fiocruz)


consorcio-abre-chamada-para-apoio-financeiro-a-participacao-do-brokerage-event  O consórcio internacional INCOBRA lançou nesta segunda-feira (7) uma chamada para conceder apoio financeiro aos participantes do...
embrapii-desenvolvera-projetos-de-inovacao-com-empresas-brasileiras-e-britanicasCinco unidades e um polo da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) irão desenvolver sete projetos de inovação...
capes-financia-projetos-conjuntos-com-a-holanda-em-todas-as-areas-do-conhecimento  A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou o edital nº 27/2017, referente ao Programa...
fapesp-e-cdti-anunciam-financiamento-para-pesquisa-inovativa  A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o Centro para el Desarrollo Tecnológico Industrial (CDTI)...
japao-e-brasil-financiam-projetos-em-varias-areas-do-conhecimentoA Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Sociedade Japonesa de Promoção da Ciência (JSPS, na sigla em...