Prêmio internacional na área de clima espacial é concedido a pesquisador do Inpe

C&T Meio Ambiente - BR

 

O Space Weather Prize de 2017, prêmio concedido a cada quatro anos pela American Geophysical Union (AGU), dos Estados Unidos, foi vencido por Walter Gonzalez, pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A premiação contempla cientistas que tenham dado contribuições importantes no estudo do clima espacial (space weather), área da física e da ciência espacial que enfoca os efeitos da atividade do Sol nas vizinhanças da Terra. O pesquisador deverá receber o prêmio em dezembro, na reunião anual da AGU, que, neste ano, será realizada em New Orleans, com estimativa de público de 20 mil pessoas.

Em sua tese de doutorado, redigida em 1973 na University of California, Berkeley, nos Estados Unidos, Gonzalez apresentou o primeiro modelo da interação do vento solar com a magnetosfera terrestre. Esse trabalho tornou-se um clássico na área e, apesar de todo o tempo transcorrido desde então, continua sendo citado e servindo de referência para a modelagem atual.

Gonzalez nasceu no Peru e graduou-se em Física na Universidad Nacional de Ingenieria (1967), em Lima. Com uma bolsa da Organização dos Estados Americanos (OEA), veio para o Brasil, onde fez seu mestrado em Geofísica Espacial no Inpe (1969), antes de seguir para o doutorado em Berkeley (1973). Posteriormente, alternou períodos de atuação no Brasil com trabalhos na Stanford University, no California Institute of Technology (Caltech), no Jet Propulsion Laboratory (JPL) da Nasa, na National Oceanic and Atmospheric Administration (Noaa) e na Nagoya Daigaku (Universidade de Nagoya, Japão). Ao longo de sua carreira, Gonzalez contou por diversas vezes com apoios da FAPESP.

Os conhecimentos que vêm sendo obtidos no campo em que se especializou, o do clima espacial (space weather), têm importância fundamental para a segurança das missões espaciais, dos numerosos satélites que orbitam a Terra, dos aviões que sobrevoam regiões próximas aos polos e para os sistemas de comunicação e o sem-número de equipamentos eletrônicos instalados na superfície terrestre. Isso porque a magnetosfera do planeta é altamente afetada pela atividade solar.

A premiação do cientista é, antes de tudo, um reconhecimento de sua grande contribuição à área. Mas também distingue o prolongado empenho da ciência brasileira no setor. Gonzalez é autor de 195 artigos científicos em periódicos internacionais, de quatro livros e de 25 capítulos de livros. Além disso participou da organização de 10 workshops internacionais sobre tempestades magnéticas realizados em diversos países. Pelo fato de a primeira dessas reuniões ter ocorrido no Brasil, elas ficaram conhecidas sob o nome de “Brazil Workshops”. A síntese das conclusões dessa primeira reunião, redigida por Gonzalez, já recebeu até agora mais de 1.200 citações.

(Agência ABIPTI, com informações da Fapesp)


brasil-e-espanha-assinam-acordos-em-areas-que-envolvem-pesquisa-e-tecnologia Os governos do Brasil e da Espanha assinaram nesta segunda-feira (24) cinco atos de cooperação em quatro diferentes áreas, que...
editais-selecionam-projetos-de-pesquisa-conjuntos-entre-franca-e-america-do-sul A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou dois novos editais para seleção de projetos conjuntos...
acordo-entre-sebrae-e-cnpq-preve-r-134-milhoes-para-pesquisa-de-alto-impacto O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e...
edital-de-inovacao-da-industria-oferece-r-536-milhoes-a-empresas-e-startups Projetos inovadores com aplicações industriais terão incentivo de mais de R$ 53,6 milhões neste ano para serem desenvolvidos e...
pacote-de-inovacao-da-embrapii-injetara-r-100-milhoes-na-economia A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) anunciou nesta sexta-feira (17), durante a reunião da Mobilização...