Genoma do caramujo da esquistossomose tem sequenciamento completo concluído

C&T Saúde - BR

Um grupo de 118 pesquisadores de 11 países, dos quais 15 do Brasil, que trabalharam na Fundação Oswaldo Cruz de Minas Gerais (Fiocruz Minas), conseguiu fazer o sequenciamento do genoma do Biomphalaria glabrata, espécie de caramujo hospedeiro intermediário do verme que causa a esquistossomose. A doença afeta cerca de 240 milhões de pessoas no mundo.

Segundo o  pesquisador Omar dos Santos Carvalho, do Grupo de Helmintologia e Malacologia Médica (HMM) da Fiocruz Minas, que participou do estudo, essa espécie de caramujo é o melhor hospedeiro que existe na natureza.

A espécie está em todos os lugares no Brasil em que existe a esquistossomose. Carvalho explica que a disponibilidade do genoma para a comunidade científica abre um caminho importante para que se trabalhem os genes que estão nesse genoma e que levem ao controle desse molusco ou possam torná-lo resistente à infecção ao Schistosoma mansoni, causador da doença.

O trabalho sobre o sequenciamento do genoma foi publicado na revista científica internacional Nature Communications. Com os dados desse estudo, que durou 15 anos, já foram publicados mais de 50 artigos, informou Carvalho.

Pesquisadores já trabalham para tornar esse molusco resistente à infecção ao parasita. No próprio HMM da Fiocruz Minas, a doutora Marina Mourão, coordena uma pesquisa com financiamento da Comunidade Europeia. Ela tenta descobrir qual é o gene responsável pela facilidade que esse molusco tem para adquirir a esquistossomose, de modo a torná-lo resistente.

O pesquisador Omar Carvalho disse que esse é o grande trabalho a ser feito e terá impacto não só no Brasil, mas em outras partes do mundo que têm a doença, como o Caribe e a África. Omar Carvalho conta que qualquer pesquisador do mundo pode agora pegar os dados do sequenciamento do genoma dessa espécie de caramujo e utilizar para fazer outra pesquisa. “Depois que está publicado, é de domínio público”, lembrou.

De acordo com o pesquisador, o estudo começou com a coleta de moluscos em Minas Gerais e sua classificação tanto pela morfologia como pela biologia molecular. “Eles foram infectados para ver se funcionavam realmente com igualdade de condições às outras Biomphalaria glabrata que nós tínhamos no laboratório. A pesquisa começou aqui, em Belo Horizonte, e depois de 15 anos teve essa publicação que é muito importante e tem um impacto muito grande tanto na América, como na África, entre outros lugares”, explicou Omar Carvalho.

Esquistossomose

Dados recentes concluídos pelo especialista Naftale Katz, coordenador do Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose e das Geo-helmintíases, do Ministério da Saúde, mostram que 1,5 milhão de pessoas podem estar infectadas com o Schistosoma mansoni no Brasil. Omar Carvalho explica  que o trabalho do doutor Naftale Katz mostra que a população infectada diminuiu muito, devido a vários fatores como saneamento básico em várias regiões ou surgimento de remédios novos.

De acordo com o inquérito, a transmissão ocorre de forma endêmica em Alagoas, na Bahia, no Maranhão, em Pernambuco e em Sergipe, na Região Nordeste, e em Minas Gerais e no Espírito Santo, na Região Sudeste. No período de 2001 a 2015, foram detectados cerca de 38 mil casos na área endêmica. Nesse mesmo período, houve uma média de 195 internações e 488 óbitos. O documento informa que no restante do país, a maioria dos casos notificados casos é importada de áreas endêmicas, devido ao fluxo migratório de pessoas. Em 2015, foram notificados 4.356 casos, incluindo as formas graves da doença.

A esquistossomose tem uma sintomatologia característica. Quando a pessoa adquire a doença em sua fase inicial, aparece vermelhidão e coceira na pele, febre alta, e enjoo e vômito, às vezes. Na fase crônica, pode aparecer cirrose hepática e outros comprometimentos, como de medula óssea, por exemplo, com risco de levar à morte.

A esquistossomose é, atualmente, o segundo maior problema de parasitose no mundo, depois da malária. A doença é causada pelo Schistosoma mansoni, parasita que tem no homem seu hospedeiro definitivo, mas que precisa de caramujos, como a espécie Biomphalaria glabrata', para desenvolver o ciclo evolutivo. A transmissão desse parasita ocorre pela liberação de seus ovos através das fezes do homem infectado.

(Agência ABIPTI com informações da Agência Brasil)