Finep e BNDES investem R$ 737 milhões em projetos de PD&I

C&T Economia - Economia

A primeira seleção do Inova Mineral, iniciativa da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para apoiar projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) na área de mineração e transformação mineral, aprovou 24 planos de negócios que somam investimentos de R$ 737 milhões.

Do total em investimentos previstos nos 24 planos selecionados, R$ 502 milhões serão financiados pela Finep e BNDES. Desse montante, 24% são recursos não reembolsáveis. Os projetos aprovados foram selecionados entre 41 planos de negócio submetidos entre 1º de setembro e 1º de novembro de 2016, envolvendo 60 organizações (empresas e instituições científicas). A seleção foi baseada  em critérios como o grau de ineditismo e de desenvolvimento tecnológico da proposta, bem como o seu potencial de gerar benefícios econômicos, sociais e ambientais. Também foi avaliada a capacidade financeira e de execução dos proponentes.

Além dos projetos voltados para sustentabilidade ambiental e materiais de alto desempenho, o Inova Mineral selecionou planos de negócio em outras três linhas temáticas: tecnologias de processo mineral para a competitividade e desconcentração de mercado; adensamento da cadeia via desenvolvimento e absorção de tecnologias; e ampliação de oferta de fosfato e potássio e redução do déficit comercial de fertilizantes. Nesta última categoria, houve destaque para planos de desenvolvimento de fertilizantes encapsulados, que são mais eficientes, e de fontes minerais alternativas para a indústria de fertilizantes.

O maior número de projetos é voltado para a mitigação de riscos e impactos ambientais da atividade de mineração, como o aperfeiçoamento de sistemas de sensores inteligentes para o monitoramento de barragens. Também foram selecionados planos de recuperação e reutilização de resíduos da atividade mineral em outros produtos. São dez iniciativas que somam pouco mais de R$ 200 milhões em investimentos que poderão contribuir com o desenvolvimento do potencial do setor de mineração com mais segurança, reduzindo o risco de acidentes.

O maior volume de investimentos, pouco mais de R$ 400 milhões, irá para cinco planos de negócios com foco em materiais de alto desempenho, incluindo os minerais chamados “portadores de futuro”. Um exemplo é o projeto de uma plataforma tecnológica de grafeno, forma super-resistente do carbono com aplicações em diferentes segmentos industriais e que tem sido considerada uma das principais matérias-primas de tecnologias do futuro. Outro projeto selecionado nessa área é uma planta piloto de ímãs permanentes produzidos a partir de ligas metálicas de um grupo específico de minerais chamados terras raras, que são largamente utilizados nas indústrias eletroeletrônica e eletromecânica.

Além dos projetos voltados para sustentabilidade ambiental e materiais de alto desempenho, o Inova Mineral selecionou planos de negócio em outras três linhas temáticas: tecnologias de processo mineral para a competitividade e desconcentração de mercado; adensamento da cadeia via desenvolvimento e absorção de tecnologias; e ampliação de oferta de fosfato e potássio e redução do déficit comercial de fertilizantes. Nesta última categoria, houve destaque para planos de desenvolvimento de fertilizantes encapsulados, que são mais eficientes, e de fontes minerais alternativas para a indústria de fertilizantes.

Com um orçamento total de quase R$ 1,2 bilhão, o Inova Mineral fará uma segunda seleção de planos de negócios, como já estava previsto no edital. As propostas serão recebidas entre 15 de maio e 14 de julho. O resultado deverá ser divulgado no final de outubro.

O Inova Mineral tem como objetivo estimular o desenvolvimento de novas tecnologias como forma de ampliar ainda mais a competitividade do setor de mineração e transformação mineral, que respondeu por cerca de 25% das exportações brasileiras nos últimos dez anos.

Inovações que possam aperfeiçoar a produção e comercialização dos produtos da mineração, bem como a mitigação do seu impacto ambiental, são importantes para o aproveitamento com segurança do potencial geológico brasileiro, em boa parte ainda inexplorado. O setor e os projetos de logística associados também são estratégicos para o país porque são responsáveis por grande atração de investimentos e pelo abastecimento de insumos para indústrias de base e de bens de consumo.

(Agência ABIPTI com informações da Finep)