Brasil pode ser quinto país que mais gasta em remédios caso não invista em tecnologias

C&T Saúde - BR

Cerca de R$ 4 bilhões são desperdiçados apenas com a compra de materiais inadequados no setor da saúde - Foto: Divulgação/StaticCerca de R$ 4 bilhões são desperdiçados apenas com a compra de materiais inadequados no setor da saúde - Foto: Divulgação/StaticO Sistema Único de Saúde (SUS) tem gastos pesados na aquisição de medicamentos e equipamentos. Uma estimativa do governo federal apontou que cerca de R$ 4 bilhões são desperdiçados apenas com a compra de materiais inadequados, por falta de institutos de pesquisa que façam as certificações adequadas e o controle. Nesse ritmo, em dois anos, o Brasil poderá se tornar o quinto país com maior gasto em medicamentos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, China, Japão e Alemanha.

O alerta é do coordenador do Instituto de Tecnologia e Informação em Saúde (ITS) do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Cimatec), Roberto Badaró. Ele apresentou os dados nesta terça-feira (4), na Câmara dos Deputados, durante a comissão especial que discute o processo de inovação e incorporação tecnológica na área da saúde. O especialista afirma que há uma necessidade emergencial do Brasil produzir tecnologias para desenvolver seus próprios medicamentos, caso contrário, terá ainda mais despesas no setor.

“Nós importamos quase 100% de tudo que consumimos na saúde. De medicamento a equipamentos e insumos. A proposta é fazer tudo isso dentro do país, com nossa tecnologia, para ter competitividade e abaixar os preços”, comentou. “Doenças oncológicas, diabetes e crônicas, de maior ênfase em idosos, tem um custo medicamentoso bilionário”, destacou o coordenador, lembrando que há um aumento do número de idosos no Brasil que acarreta em mais gastos.


A estratégia apresentada por Badaró para estimular a produção tecnológica brasileira em medicamentos inclui: integrar competências científicas na área de bioengenharia e medicina; estabelecer parcerias entre institutos, universidades e centros de pesquisa; e desenvolver serviços tecnológicos estratégicos de controle de materiais biológicos e medicamentos.


Uma das iniciativas para fomentar essa estratégia, segundo Badaró, tem sido implementada pelo ITS em parceria com pesquisadores dos Estados Unidos, na aplicação da nanotecnologia. O objetivo é embarcar proteínas e substâncias específicas que vão atuar diretamente na célula cancerígena, fazendo com que os efeitos adversos dos medicamentos sejam menores. “Esses produtos, em um ou dois anos, já podem ser transferidos. É uma aceleração da transferência de tecnologia para o Brasil”, comentou.


Para a coordenadora da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (Rebrats), Luciana Leão, a dependência que o país tem de tecnologias importadas deixa o Brasil com um grave problema de desabastecimento no setor. “Se um indústria dessas decide parar de fazer o abastecimento que nós compramos, o Brasil entra em uma crise incrível na área de saúde, porque às vezes não tem outro fornecedor. Por isso o incentivo ao Complexo Industrial da Saúde é estratégico, não só para a saúde, como para a economia do país.”


Esforço


O estímulo ao Complexo Industrial da Saúde e aos institutos de pesquisa que desenvolvem as tecnologias nacionais depende, majoritariamente, de investimentos, como pontuou o coordenador do Senai Cimatec. “O grande esforço que o país tem que fazer é investir na incorporação de tecnologia. Mas qual a garantia de financiamento que há hoje para institutos de pesquisa aplicada e transferência de tecnologia?”, questionou Roberto Badaró, em alusão aos cortes sucessivos feitos pelo governo na ciência, tecnologia e inovação (CT&I).


Segundo o deputado Jorge Solla (PT-BA), responsável pelo requerimento para discutir o tema na comissão especial, um relatório será elaborado pelo colegiado de modo a sinalizar a prioridade orçamentária para o setor. O objetivo é viabilizar alguma parcela dos recursos federais para pesquisas e novas tecnologias do país que atuam na área da saúde.


(Leandro Cipriano, da Agência ABIPTI)



Especial: 26ª Conferência Anprotec

sinergia-e-politica-de-estado-sao-desafios-para-o-brasil-avalia-presidente-da-anprotec Maturidade. Essa é palavra que define o atual estágio do ecossistema brasileiro de empreendedorismo e inovação. O segmento conta com...
meta-chinesa-de-tornar-se-potencia-em-inovacao-cria-oportunidades-para-empreendimentos-brasileiros Fortaleza (CE) - O 13º Plano Quinquenal da República Popular da China estabelece metas ousadas para o desenvolvimento da economia. O...
fundos-de-capital-privado-sao-alternativa-a-crise-para-empresas-inovadoras Fortaleza (CE) - O atual ciclo recessivo da economia brasileira, iniciado em dezembro de 2014, atingiu em setembro o segundo pior...
empreendedorismo-em-negocios-de-impacto-social-cresce-no-brasil Fortaleza (CE) - Aos poucos o brasileiro começa a entender melhor a cultura do empreendedorismo, tida por muitos especialistas como...
gestores-apostam-em-integracao-de-esforcos-para-impulsionar-negocios-inovadores Fortaleza (CE) - Há aproximadamente duas décadas, o ecossistema brasileiro de inovação dependia exclusivamente dos governos...