Brasil ganha centro para produção de insumos e medicamentos biológicos

C&T Saúde - BR

O Ministério da Saúde, por meio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), inaugurou um novo centro de produção de insumos e medicamentos, do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro (RJ). O empreendimento permitirá a incorporação de tecnologias inéditas no Brasil, ampliando assim a capacitação e a produção de insumos estratégicos do País. Ao todo, foram investidos R$ 478 milhões na sua construção.

O espaço, chamado de Centro Henrique Penna - Protótipos, Biofármacos e Reativos para Diagnóstico, terá capacidade de produzir 20 milhões de testagens ao ano. Atualmente, a capacidade da Fiocruz é de 8 milhões de testes por ano. O centro também proporcionará a prestação de serviços tecnológicos para outros laboratórios, públicos e privados.

Além de aumentar a capacidade de produção de medicamentos biológicos e diagnósticos, o centro abrigará a maior planta de protótipos da América Latina, preenchendo uma lacuna na cadeia de inovação tecnológica do Brasil. A Planta Piloto é uma infraestrutura laboratorial para uso de cientistas e pesquisadores, com equipamentos para o desenvolvimento de novos produtos como, por exemplo, vacinas e medicamentos biológicos.


Entre os medicamentos que serão produzidos no centro, está o Alfaepoetina, usado no tratamento de anemia em portadores de insuficiência renal crônica; em pacientes com Aids submetidos ao tratamento com zidovudina (AZT) e em pacientes com câncer em tratamento quimioterápico.


Posteriormente, também serão produzidos biofármacos que fazem parte da carteira de Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDPs) de Bio-Manguinhos, como a Filgrastima (usada para tratar efeitos colaterais aos pacientes de câncer) e a Somatropina (para tratar deficiência do crescimento).


“A transferência de tecnologia para o Brasil daqueles medicamentos que são os mais demandados e os mais caros, representam, de início, 30% de economia. O laboratório transferidor de tecnologia vende 30% mais barato para o Brasil e depois, a cada ano, reduz em 5% o valor deste medicamento. Portanto, se compramos medicamentos biológicos

R$ 8 bilhões por ano, a economia é de, no mínimo, 30% sobre esses valores, o que significa mais de R$ 2 bilhões”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.


Entre os insumos que poderão ser produzidos no centro, estão os reativos para o teste sorológico para Zika e para o Kit Molecular ZDC (que permite diferenciar os diagnósticos de Zika, dengue e chikungunya) – ambos desenvolvidos pela Fiocruz. O Kit Molecular ZDC ainda aguarda liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Outro teste previsto para produção é o Kit NAT para detecção do vírus HIV, hepatite A e hepatite B em bolsas de sangue destinadas à transfusão em todo o País.


(Agência Gestão CT&I/ABIPTI, com informações do Ministério da Saúde)

Especial: 26ª Conferência Anprotec

sinergia-e-politica-de-estado-sao-desafios-para-o-brasil-avalia-presidente-da-anprotec Maturidade. Essa é palavra que define o atual estágio do ecossistema brasileiro de empreendedorismo e inovação. O segmento conta com...
meta-chinesa-de-tornar-se-potencia-em-inovacao-cria-oportunidades-para-empreendimentos-brasileiros Fortaleza (CE) - O 13º Plano Quinquenal da República Popular da China estabelece metas ousadas para o desenvolvimento da economia. O...
fundos-de-capital-privado-sao-alternativa-a-crise-para-empresas-inovadoras Fortaleza (CE) - O atual ciclo recessivo da economia brasileira, iniciado em dezembro de 2014, atingiu em setembro o segundo pior...
empreendedorismo-em-negocios-de-impacto-social-cresce-no-brasil Fortaleza (CE) - Aos poucos o brasileiro começa a entender melhor a cultura do empreendedorismo, tida por muitos especialistas como...
gestores-apostam-em-integracao-de-esforcos-para-impulsionar-negocios-inovadores Fortaleza (CE) - Há aproximadamente duas décadas, o ecossistema brasileiro de inovação dependia exclusivamente dos governos...